Blog

Home / FUTURO DA INFRAESTRUTURA DE ARMAZENAGEM…

FUTURO DA INFRAESTRUTURA DE ARMAZENAGEM É FLEXÍVEL

Buscando soluções mais rápidas, baratas e adaptáveis para estocagem de produtos, empresas optam pela infraestrutura flexível em meio à crise econômica

 

No atual cenário econômico do Brasil, cada vez mais empresas precisam buscar alternativas para reduzir custos. Se comprometer com grandes obras, caras e definitivas, tem se mostrado um dos maiores problemas para aqueles que necessitam de grandes espaços físicos para armazenagem de produtos e é neste momento que a infraestrutura flexível se consolida ainda mais como um investimento viável para driblar custo, a burocracia e o tempo de obra das construções de grandes galpões.

 

Líder no mercado, a Tópico, que tem 40 anos de mercado, é atualmente responsável por 65% do market share do setor de infraestrutura flexível para cobertura e armazenagem e possui no Brasil mais de 2,5 milhões de metros quadrados instalados de estruturas modulares metálicas cobertas por uma membrana (lona) antichamas com durabilidade de até 40 anos. A empresa tem diversas soluções para a armazenagem dos mais variados tipos de carga e mostra-se uma solução taylormade para a delicada equação entre custo e benefício, tão crítica hoje para os donos de carga e operadores logísticos que lidam, por exemplo, com a sazonalidade.

 

“O grande desafio dos nossos clientes tem a ver com demanda e com a resposta do mercado. E o benefício que o nosso produto oferece é uma solução de infraestrutura ajustada à sua necessidade, com custo adequado também. E, se a demanda mudar no futuro, ele pode rapidamente se adequar”, explica a gerente de Contas Especiais da Tópico, Pamela Pianta.

 

Menos burocracia

Com o carro-chefe da empresa sendo as estruturas flexíveis para locação, a Tópico hoje consegue, em virtude de um cenário jurídico positivo, superar a alvenaria ao permitir que as empresas construam galpões com menos burocracia para a montagem das armações metálicas, com mais agilidade e sem investimento prévio.

 

“A gente consegue construir grandes áreas em pouco tempo. Podemos entregar 1 mil m² em uma semana. E a obra é limpa, sem resíduos e impactos ambientais. Quando penso em operadores logísticos e terminais portuários, que precisam de custos bem ajustados, a nossa solução faz muito sentido. Porque, assim que o volume dele aumenta ou diminui, ele tem estrutura coberta e certificada para proteger a carga. Se mais pra frente a estratégia mudar, basta desmontar e devolver a infraestrutura”, comenta Pamela.

 

A facilidade de instalação e o preço mais vantajoso são alguns dos pontos chaves para quem decide optar pela solução. Conta a favor também o fato de a manutenção ser responsabilidade da locatária com uma área de relacionamento para dar atendimento ao cliente de forma personalizada e ágil. 

 

Multitrans, um case de sucesso

A Multitrans, que opera com transportes e armazéns em Paranaguá (PR), há um ano adotou a flexibilidade na armazenagem de fertilizantes e entrou em contato justamente com a Tópico. “Em virtude do momento que o País vem passando, acabamos ficando sem espaço físico para armazenamento de fertilizantes. Pelo tempo de construção e pela confiabilidade que a solução possui, optamos por locar quatro estruturas flexíveis com capacidade para cerca de 50 mil toneladas. Temos um contrato de dois anos, mas provavelmente vamos aumentar esse período, porque o galpão lonado nos atende naquilo que precisamos sem afetar a qualidade físico-química de nossos produtos”, diz o gerente administrativo da Multitrans, Luiz Felipe Gonçalves de Siqueira.

 

A flexibilidade característica das estruturas metálicas lonadas da Tópico permite a criação de módulos, vãos completamente livres, portas que facilitam a entrada de equipamento, aberturas para a retirada da carga estocada no início da armazenagem, com a inclusão de  portas em toda a extensão do galpão, além de projetos com pé direito maior, verticalizados.

 

“É uma nova forma de se pensar em armazenagem, que pode adequar-se com facilidade ao tipo de carga a ser armazenada. Assim, o cliente pode concentrar os investimentos e planejamentos a longo prazo no seu negócio. Para o futuro, estamos pensando em novas aplicações. Surgimos para atender o mundo da urgência, clientes que usavam nossa estrutura em demandas sazonais. Mas, costumo dizer que nosso produto é permanentemente flexível. O que temos feito é conversar com clientes e grandes empresas para que possamos nos consolidar como uma solução permanente de infraestrutura”, finaliza Pamela.

 

Sobre a Tópico 

Fundada há 40 anos, a Tópico é a empresa líder no mercado nacional no segmento de infraestruturas flexíveis. Com mais de 2,5 milhões de m² instalados, a empresa – que vende e aluga galpões modulares – contabiliza mais de 800 empresas em carteira, sendo a maioria indústrias dos mais diversos setores, agronegócio, empresas de logística, infraestrutura e serviços em geral. 

 

Com fábrica própria e centro de distribuição localizados em Embu das Artes, São Paulo, a empresa também possui seis filiais espalhadas pelo País: em São Paulo (capital), Itaguaí (RJ), Contagem (MG), Joinville (SC), Simões Filho (BA) e Parauapebas (PA). Em 2014 a empresa, que era familiar, fundiu-se e após deu início a entrada no Private Equity Fund, Southern Cross Group (fundo latino americano presente em seis países), e iniciou um processo de profissionalização.  

Blog

Setor de transporte e logística deve responder à crise com…

Historicamente, o setor de transporte e logística é especialmente afetado pelos

Pela primeira vez, Tópico realiza workshop comercial de forma virtual

Os workshops comerciais da Tópico ganharam um novo formato nesta última

Novo túnel de desinfecção combate contaminação por COVID-19

A solução pode ser instalada em qualquer espaço e ainda tem

Receba nossa newsletter