Armazenagem de açúcar: estou fazendo certo?

No Brasil, as perdas ocasionadas pelo ataque de pragas, a inadequação das instalações e a falta de conhecimentos técnicos de armazenagem pode atingir 30% da safra coletada(1). Cada safra tem a sua peculiaridade e para que seu negócio consiga ser dinâmico, sua armazenagem também deve ser.

Uma unidade armazenadora convenientemente localizada é uma das soluções para tornar o sistema produtivo mais eficiente, além de propiciar a comercialização em períodos mais adequados à maximização de preços. O produtor de açúcar encontra algumas opções na hora de escolher sua unidade de armazenagem, mas a estrutura mais comum é a do “paiol”, que são estruturas já existentes adaptadas para guardar os grãos. A priori, é uma opção barata, pois usa apenas o que a fazenda já oferece, como madeira e terra. O problema dessa estrutura envolve sua falta de planejamento, impedindo algumas precauções para a proteção do grão, ocasionando menos ganhos se considerarmos a perda de qualidade da safra.

O açúcar não é considerado perecível, mas pode perder qualidade se armazenado em locais com muita umidade e temperatura instável, e por ser um alimento, seu armazenamento precisa atender a exigências legais. Para manter a qualidade, o produto deve ser armazenado em local fechado, seco e arejado, sobre o piso de concreto revestido e coberto com lona plástica, além de ficar afastado de paredes.

Uma opção prática, rápida e altamente adaptável para o produtor de açúcar é o galpão modular Tópico. Por conta de seu baixo custo, rápida montagem e por não ser uma estrutura definitiva, o produtor pode instalar um galpão em sua área, proporcionando economia na hora do transporte da safra, evitando o conhecido “pique de safra” – que aumenta o valor do frete – na hora de movimentar seu produto para os sistemas coletores, intermediários ou terminais.